13 de novembro de 2007

Mar Sonoro




Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho.
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim.




poema de Sophia de Mello Breyner Andresen
pintura "Northeaster" de Winslow Homer

2 comentários:

Marilac disse...

Olá Ana Isabel,
Cheguei aqui por indicação da Carol ( Casa de Palavras) e seu blog é lindo, repleto de poesia, lindas ilustrações e percebo que vc seleciona tudo com muito cuidado e sensibilidade!

bjs

Marilac

obs: lindo esse poema de Alberto Caeeiro sobre o voo das borboletas, lindo nome escolhidopara o blog.

Marilac disse...

complementando,
Adoro as poesias de Sophia de Mello,e gosto de forma especial desse poema...

E a pintura combinou perfeitamente com o poema.
.