21 de dezembro de 2007

Estrelinha

O voo das borboletas vai sossegar por uns dias...

A todos os que têm partilhado este espaço comigo, agradeço a generosidade.
Desejo-vos um Bom Natal e Feliz Ano Novo, esperando, acima de tudo, que passem estes próximos dias em boa companhia.
Que a vossa estrela brilhe sempre!

...até Janeiro!

Kathy Weller

Best wishes for Christmas


I´m thinking of you and wishing you joy


A Merry Christmas!




Voto de Natal

Acenda-se de novo o Presépio do Mundo!
Acenda-se Jesus nos olhos dos meninos!
Como quem na corrida entrega o testemunho,
passo agora o Natal para as mãos dos meus filhos.

E a corrida que siga, o facho não se apague!
Eu aperto no peito uma rosa de cinza.
Dai-me o brando calor da vossa ingenuidade,
para sentir no peito a rosa reflorida!

Filhos, as vossas mãos. E a solidão estremece,
como a casca do ovo ao latejar-lhe vida...
Mas a noite infinita enfrenta a vida breve:
dentro de mim não sei qual é que se eterniza.

Extinga-se o rumor, dissipem-se os fantasmas!
Ó calor destas mãos nos meus dedos tão frios!
Acende-se de novo o Presépio nas almas.
Acende-se Jesus nos olhos dos meus filhos.




David Mourão-Ferreira

18 de dezembro de 2007

Wishing you a Happy Christmas


The Christmas morning post


A bright and happy New Year

Hymno de Amor

Andava um dia
Em pequenino
Nos arredores
De Nazareth,
Em companhia
De San José,
O bom-Jesus,
O Deus-Menino.
Eis senão quando
Vê num silvado
Andar piando
Arrepiado
E esvoaçando
Um rouxinol,
Que uma serpente
De olhar de luz
Resplandecente
Como a do sol,
E penetrante
Como diamante,
Tinha attrahido,
Tinha encantado.

Jesus, doído
Do desgraçado
Do passarinho,
Sae do caminho,
Corre apressado,
Quebra o encanto,
Foge a serpente,
E de repente
O pobrezinho,
Salvo e contente,
Rompe n'um canto
Tão requebrado,
Ou antes pranto
Tão soluçado,
Tão repassado
De gratidão,
De uma alegria,
Uma expansão,
Uma cadencia,
Que commovia
O coração!

Jesus caminha
No seu passeio,
E a avesinha
Continuando
No seu gorgeio
Em quanto o via;
De vez em quando
Lá lhe passava
À dianteira
E mal poisava,
Não afrouxava
Nem repetia,
Que redobrava
De melodia!

Assim foi indo
E foi seguindo
De tal maneira,
Que noite e dia
N'uma palmeira,
Que havia perto
D'onde morava
Nosso Senhor
Em pequenino,
(Era já certo)
Ella lá estava
A pobre ave
Cantando o hymno
Terno e suave
Do seu amor
Ao Salvador!



João de Deus

Study in green







Ruud Van Empel

Natal Africano

Não há pinheiros nem há neve,
Nada do que é convencional,
Nada daquilo que se escreve
Ou que se diz... Mas é Natal.

Que ar abafado! A chuva banha
A terra, morna e vertical.
Plantas da flora mais estranha,
Aves da fauna tropical.

Nem luz, nem cores, nem lembranças
Da hora única e imortal.
Somente o riso das crianças
Que em toda a parte é sempre igual.

Não há pastores nem ovelhas,
Nada do que é tradicional.
As orações, porém, são velhas
E a noite é Noite de Natal.



João Cabral do Nascimento

3 de dezembro de 2007

Numa tarde de Dezembro



Numa tarde de Dezembro
muito fria, enevoada
no meio duma cidade
barulhenta e apressada
pouca gente reparou
o que estava a suceder
num pinheiro muito alto.

Era um soberbo pinheiro
mais velho que os altos prédios
ruas, praças e avenidas
mais velho que toda a gente
que ali passava apressada
a correr para o autocarro
para o buraco do metro
para as linhas do comboio
para as luzes do hipermercado.

Na sua copa imensa
feita de mil abraços
abrigo de muitos mendigos
encosto de muitos velhos
cama de muitos pássaros
sombra de namorados
uma pomba encarnada
que ali estava aninhada
pôs-se a arrulhar de mansinho.

Nessa tarde de Dezembro
pouca gente reparou
que um pombo aflito
sobre o pinheiro voou
e deu um beijo na pomba
que arrulhava de mansinho
olhando embevecida
o seu filho pequenino:
um pequeno coração
batemdo muito apressado
dentro de um pequeno ninho.



poema de António Mota
ilustração de Kim Malek

Wishing you a merry time this Christmas


Diz que até não é um mau blog



Muito obrigada Carlos pelo seu reconhecimento, e pelas suas palavras.
Remeto o restante texto e nomeações para O Hálito Azul da Tarde.