9 de novembro de 2010

Quem me quiser





















Quem me quiser há-de saber as conchas
a cantigas dos búzios e do mar.
Quem me quiser há-de saber as ondas
e a verde tentação de naufragar.

Quem me quiser há-de saber as fontes,
a laranjeira em flor, a cor do feno,
à saudade lilás que há nos poentes,
o cheiro de maçãs que há no inverno.

Quem me quiser há-de saber a chuva
que põe colares de pérolas nos ombros
há-de saber os beijos e as uvas
há-de saber as asas e os pombos.

Quem me quiser há-de saber os medos
que passam nos abismos infinitos
a nudez clamorosa dos meus dedos
o salmo penitente dos meus gritos.

Quem me quiser há-de saber a espuma
em que sou turbilhão, subitamente
- Ou então não saber a coisa nenhuma
e embalar-me ao peito, simplesmente.


Rosa Lobato de Faria
ilustração de Taia Morley

1 de outubro de 2010

Dia Mundial da Música

A música está à nossa volta...só temos de ouvir!



August's Rhapsody
do filme August Rush

4 de agosto de 2010

Quero dar-te um abraço...um beijo...uma flor...




Quero dar-te um abraço
apertado
e assim ficar por algum tempo
quase colados, quase confusos,
que pele é minha, e que pele é tua?

Quero dar-te um beijo
prolongado
e um abraço
apertado
e ficar assim contigo, encostados,
boca nos olhos e olhos na boca,
onde estás tu, e onde estou eu?

Quero dar-te uma flor
meu amado
e um beijo
prolongado
e um abraço apertado
e ficar assim contigo, enamorados,
com promessas nas mãos, e a mão no coração,

serei tua, e serás meu!


Ana Isabel
ilustração "Boy and Girl" de Greg Becker

Quero dar-te




Quero dar-te a coisa mais pequenina que houver
bago de arroz
grão de areia
semente de linho
suspiro de pássaro
pedra de sal
som de regato
a coisa mais pequena do mundo
a sombra do meu nome
o peso do meu coração na tua pele.


poema de Rosa Lobato de Faria
ilustração "Bird" de Sarah Beetson

22 de julho de 2010

Fireflies

Owl City

Secret hideaway



Johanna Wright

As pequenas palavras

De todas as palavras escolhi água,
porque lágrima, chuva, porque mar
porque saliva, bátega, nascente
porque rio, porque sede, porque fonte.
De todas as palavras escolhi dar.

De todas as palavras escolhi flor
porque terra, papoila, cor, semente
porque rosa, recado, porque pele
porque pétala, pólen, porque vento.
De todas as palavras escolhi mel.

De todas as palavras escolhi voz
porque cantiga, riso, porque amor
porque partilha, boca, porque nós
porque segredo, água, mel e flor.

E porque poesia e porque adeus
de todas as palavras escolhi dor.


Rosa Lobato de Faria

15 de julho de 2010

Rosa



É uma rosa amarela.
Uma rosa de verão.
Sempre uma rosa em botão
estava posta à janela.
Quem mora naquela casa
certamente que sabia
quanto essa rosa em botão,
seja branca ou amarela,
perfuma todo o verão.


poema de Eugénio de Andrade
ilustração Summer Roses de Lisa Holley

a rosa e o mar

Eu gostaria ainda de falar
da rosa brava e do mar.
A rosa é tão delicada,
o mar tão impetuoso,
que não sei como os juntar
e convidar para um chá
na casa breve do poema.

O melhor é não falar:
sorrir-lhes só da janela.


Eugénio de Andrade

1 de junho de 2010

Coração remendado...


Há tempos ela sentia vazarem sentimentos.
Então, tirou do peito o coração pra remendar.
Com uma linha vermelha, costurou todos os buracos
e reforçou as paredes de dentro,
depois colocou-o de volta no peito, pronto pra amar.


Karla Thayse
Pétalas de uma flor em mim
desconheço autor(a) da ilustração

1 de fevereiro de 2010