15 de março de 2007

A pressa do tempo

Guardei o tempo num saco
feito de linho e cetim
para ele, que é apressado,
passar sem pressa por mim.
Pendurei-o num ponteiro
de um relógio de parede
onde morava um cuco
que estava cheio de sede.
E disse-me o tempo assim:
"Não é por me prenderes
que corres mais do que eu,
aquele que há-de ganhar-me
ainda não nasceu".

Luís Infante

Sem comentários: